COE

Nesse post vamos falar de COE (Certificado de Operações Estruturadas). É um tipo de investimento que combina ativos de renda fixa e renda variável e pode acessar retornos de diversos ativos nacionais ou internacionais, como índices de ações, inflação, moeda, ações, commodities, ouro e outros. É uma alternativa para a diversificação do portfólio e retornos mais expressivos com riscos controlados. Apesar dessas particularidades ele se enquadra em uma categoria de ativos de renda fixa, nesse caso, não devem ser esperadas maiores rentabilidades. Surgiu em 2014 no Brasil e funciona como as Notas Estruturadas populares nos Estados Unidos e Europa.

O COE sempre é emitido por um banco. Por veicular diferentes ativos, por meio dele você pode obter retornos na Bolsa Americana ou Européia sem investir diretamente nesses mercados.

Há duas versões do COE: com capital protegido (que dá a possibilidade de ganhar e não correr o risco de perder o valor investido, porém não corrige a inflação), esse investimento é indicado para investidores com perfil moderado; e com capital em risco (modalidade que possibilita a perda do capital investido), já esse é recomendado para investidores com perfil moderado/agressivo ou agressivo.

Uma vantagem do COE é que ele possibilita investir indiretamente em ativos de maior risco – por exemplo, dólar e petróleo – com capital protegido. Outra vantagem é a exposição internacional sem a necessidade de enviar recursos ao exterior e sem risco de moeda. Além dessa flexibilidade, existem COEs ligados a fundos de investimento no exterior (Fundos de ações, de Renda fixa e Multimercado globais). Ainda, esses certificados possibilitam retornos tanto com a queda, subida ou até mesmo se o mercado andar de lado. O valor mínimo de aplicação geralmente não é menor que R$ 1000,00. Uma desvantagem é a liquidez, pois esses certificados não permitem o resgate antes da data de vencimento. E essas datas de vencimento são longas. Geralmente esses certificados são emitidos com prazos de vencimentos de no mínimo dois ou três anos, mas muitos podem chegar a cinco anos. Para resgate antes da data de vencimento os COEs podem ser negociados no mercado entre diferentes investidores, a corretora intermedia essa negociação. Mas por isso podem não assegurar a rentabilidade acertada no início do investimento.

É importante salientar que o COE não tem a garantia do FGC, por isso é bastante significativo investir em COEs de instituições financeiras sólidas. Em média o valor inicial para investir num COE é R$ 5.000,00, mas varia de produto pra produto, isso muda de acordo com a complexidade do investimento, o risco embutido, o potencial de ganho e outros aspectos.

Eles também tem cobrança de IR e segue a mesma tabela regressiva dos ativos de renda fixa. Além desse custo, algumas corretoras cobram o valor da corretagem para comprar o produto (spread) e/ou o valor da custódia. A Figura 13 apresenta COEs oferecido por uma corretora.

Figura 13: Exemplo de COEs oferecidos por uma corretora

É consenso entre muitos entendedores de mercado que dificilmente um COE se enquadra num ativo que atenda perfeitamente às necessidades de um investidor pois: é possível atrelar seus ganhos a ativos de renda variável investindo diretamente em renda variável; o fato do dinheiro estar “travado” em um COE impossibilita investimentos bem oportunos como por exemplo, a oportunidade desencadeada pela crise do corona vírus em março de 2020; a melhor maneira de proteger o patrimônio é diversificar bastante a carteira de investimentos controlando cada ativo de acordo com os riscos, considerando os diferentes indexadores (pré-fixados, pós-fixados – CDI, SELIC); o custo da estrutura do COE é alto, pois há o spread que os emissores naturalmente cobram, e, garantir capital inicial investido demanda uma complexidade maior para os emissores, de modo que é necessário que eles invistam em ativos de renda variável (derivativos) para os protegerem do pior cenário. Apesar de garantir o valor inicial investido os ganhos nos ativos de renda variável são limitados, somando essa característica aos custos naturais de um COE, não faz muito sentido investir em um.